Poucas propostas no debate dos pré-candidatos no DF

autor Misto Brasília

Postado em 09/07/2018 20:22:12 - 20:15:00


Rollemberg e Frejat no primeiro debate entre os pré-candidatos do DF/Reprodução/Metrópoles

Confronto de ideias acabou sendo prejudicada também pela presença dos simpatizantes

Os pré-candidatos ao governo do Distrito Federal apresentaram poucas propostas concretas no primeiro debate que reuniu sete nomes que concorrem ao Palácio do Buriti. Houve uma preocupação em desqualificar os adversários, mas as propostas não foram consistentes no primeiro bloco, que permitia perguntas e respostas entre os pré-candidatos.

A presença de simpatizantes no confronto patrocinado pelo site Metrópoles, Fibra e Fecomércio prejudicou a apresentação das ideias. Houve aplausos e vaias e a apresentadora Lilian Tahan chamou a atenção por diversas vezes do público. O debate continua neste momento com perguntas dos jornalistas.

Perguntas entre candidatos – primeiro bloco

Paulo Chagas para Izalci Lucas – sobre segurança pública. Resposta: “Vivemos num estado de insegurança total. Autoestima dos policiais também em baixa. Reestruturar a segurança pública com o apoio da comunidade. Integração de informação e com a participação comunitária. O que falta é gestão, valorizar o servidor público. Falta paridade (salarial) com a Polícia Federal. Vamos valorizar os líderes comunitários, para que a comunidade seja treinada para prevenir. Por incrível não há integração de informação”.

Réplica – “O que falta é uma harmonização entre as agências para que todos conheçam a sua missão. Secretaria de Segurança Pública capaz de integrar as agências”.

Eliana Pedrosa para Paulo Chagas (PRP) – sobre educação. Resposta: “Há escolas que estão entre as melhores e escolas que não chegaram a este nível. Os projetos melhores têm que ser adaptados para o nivelamento entre as escolas. Evitar escola com partido e evitar a ideologia de gênero e outras coisas que, efetivamente, destrói a educação”.

Réplica – Temos que garantir que todas as crianças estejam matriculadas. Inserir os alunos à nova tecnologia e levar um tablet para cada escola.

Rollemberg para Fátima Souza (PSol) – sobre regularização fundiária – Resposta: “Com todo o respeito aos dados, tenho a dizer que não tenho visto isso nas 31 cidades que tenho visitado. Nós, do PSol, discutindo uma política integrada de habitação, educação, saúde e segurança pública, estrutura de água e saneamento. A população tem dito que o senhor não está lá, que chegasse perto do povo. O jogo que o senhor assistiu junto com o candidato Marivaldo, foram os movimentos sociais que fizeram as casas.

Réplica – peço que o candidato ao Senado do PSol faça um depoimento do que ele viu em. A senhora precisa andar mais para ver a realidade do Distrito Federal. Nós entregamos mais escrituras em 3 anos e 5 meses do que todos os governos juntos.

Izalci Lucas para Alexandre Guerra (Novo) – sobre o transporte público – Resposta: “A gente tem que pensar sobre o ordenamento territorial e desenvolver as cidades no Entorno, que vai impactar no transporte. É possível desenvolver o PPPs e em linhas de ônibus como o BRTs. Temos que pensar em ciclovias, na expansão do metrô. Buscar alternativas e soluções. Fundo eleitoral e fundo eleitoral, quase 3 bilhões. O Novo é o único partido que não se utiliza desses recursos.

Replica – Temos que fazer a integração, VLT, investir no transporte férreo no DF e ampliar o metrô. Eu liderei a aprovação da lei dos incentivos fiscais, que foram embora. Trazer novas empresas para ter um pólo de desenvolvimento em cada cidade.

Fátima Souza para Jofran Frejat (PR) – sobre saúde do programa saúde em casa – Resposta: “Eu acho que você está equivocada, não acabei com o “saúde em casa”.  Pelo contrário, eu readmiti os servidores. Ele nunca foi extinto. Não há reconhecimento do que fizemos com a saúde do Distrito Federal, com a queda da mortalidade, com o sistema de saúde. Foi um trabalho correto, sério.

Réplica – Eu era gerente nacional, mas a tristeza. O senhor canetou a extinção.

Jofran Frejat para Eliana Pedrosa (Pros) – sobre política das mulheres. Resposta: “O programa que nós queremos trazer para as mulheres não é diferente para os homens. Nós devemos ter equilíbrio, mas as mulheres terão atenção maior na saúde. Queremos ter a qualificação profissional a partir do setor produtivo. Quando você pensa na mulher, você pensa na família e temos que pensar no tempo que ela vai se dedicar à família, na mobilidade urbana para que ela possa gastar no menor tempo entre o ir e vir. A saúde da mulher é essencial para a sua produtividade.

Réplica: Nós temos uma preocupação de família, a mulher é o arrimo de família. Ela é que sustenta a família. Hoje nós temos mais de 300 mil desempregados.

Alexandre Guerra para Rodrigo ollemberg (PSB) – sobre renovação política – Resposta: “Eu tenho muita simpatia pela renovação da política, você traz uma inovação neste cenário. Hoje, a responsabilidade. O que nós podemos oferecer para os jovens, ampliando a educação infantil, o BoraVender que atendeu os jovens. Isso é inovar na política e nós estamos inovando. A CEB estava falida, a Caesb recuperada, o BRB recuperado, porque não tinha política nefasta.

Réplica: Você prometeu isso e fiquei frustrado. Estive em administrações e você não conseguiu se livrar desse loteamento.


Presidenciável Ciro Gomes chega na convenção do PDT
Surfista "pesca" com as mãos tainhas na praia da Laguna (SC)
veja +
Cristovam Buarque propõe fim do auxílio-moradia para parlamentares e juízes
Comissão do Senado aprovou regulamentação da profissão de cuidador
Câmara aprova proposta que regulamenta produção e comercialização de queijo artesanal
veja +