Por que tanta ira, brasileiros?

autor Misto Brasília

Postado em 04/05/2018 08:20:55 - 07:54:00


Protestos de 2013 já anunciavam a insatisfação dos brasileiros/Arquivo/EBC

Uma reviravolta já se anunciava nos protestos de 2013. É possível sentir a ira por toda parte

Texto de Thomas Milz

Nestes dias, vêm à memória os protestos estudantis de 50 anos atrás, no famoso Maio de 68. Começando com os estudantes de classes média e alta, logo se alastrou uma insatisfação com a velha ordem, o mundo como era até então tinha se tornado limitado demais para eles.

A ira se espalhou, tomando toda a Europa Ocidental, depois pulando para outros países. Uma reviravolta depois da qual nada seria como antes. Pelo menos na Europa Ocidental.

No Brasil, uma reviravolta já se anunciava nos protestos de 2013. Era possível sentir a insatisfação com toda a situação, sem que ninguém pudesse dizer exatamente aonde aquilo levaria. Cinco anos depois, é possível sentir a ira por toda parte.

Meus amigos petistas estão furiosos porque, depois de sua presidente, Dilma Rousseff, também lhes tiraram seu candidato, Lula da Silva.  Os indígenas, que protestaram na semana passada em Brasília, estão irados porque ainda estão esperando por seus direitos constitucionalmente garantidos.

Os mais de 13 milhões de brasileiros desempregados também estão irados, assim como aqueles que têm trabalho, porque têm que financiar com seus impostos um Estado tido como corrupto. E os sem-terra e a população urbana pobre estão esperando com ira para finalmente ganharem uma chance em seu próprio país.

A ira é a companheira do senso de justiça, disse certa vez o filósofo alemão Peter Sloterdijk. A ira é, segundo ele, uma energia moral que é liberada quando as esperanças são decepcionadas. Quando se imagina um mundo melhor, mas não se pode concretizá-lo. Então, a ira protege o valor próprio colocado em perigo. Por isso a ira, diz o filósofo, é sempre justificada. Porque ela é uma energia autoafirmativa diante de expectativas frustradas.

As expectativas despertadas nas gestões dos presidentes Fernando Henrique Cardoso e Lula da Silva há muito tempo deram lugar a uma decepção generalizada. O Cristo Redentor, que a revista The Economist havia lançado ao céu como um foguete há alguns anos, despencou de novo há muito tempo.

Seguiram-se a isso uma profunda crise econômica e gigantescos escândalos de corrupção. O sistema político do Brasil está tão derrubado quanto quase todas as instituições estatais. O Brasil está à beira de uma reviravolta, todo mundo vê que as coisas não podem continuar assim. Os brasileiros têm, por isso, o direito de estar com ira, não importa onde estejam no espectro político.

A ira tem algo de bom, acredita Sloterdijk. Ela é uma energia política primária que pode impulsionar mudanças. Mas para isso, a ira deve ser direcionada, os partidos políticos têm que recolhê-la junto ao povo e transformá-la em uma narrativa de esperança.

Se não o fizerem, a ira se transforma em ódio ou fatalismo – duas coisas de que o Brasil não precisa. Os políticos do Brasil ainda têm cinco meses para se entenderem e desenvolverem uma narrativa positiva para o Brasil. Os brasileiros merecem.

 

(Thomas Milz  trabalha como jornalista para veículos como o Bayerischer Rundfunk, a agência de notícias KNA e o jornal Neue Zürcher Zeitung e escreve para a DW)

 


Presidenciável Ciro Gomes chega na convenção do PDT
Surfista "pesca" com as mãos tainhas na praia da Laguna (SC)
veja +
Cristovam Buarque propõe fim do auxílio-moradia para parlamentares e juízes
Comissão do Senado aprovou regulamentação da profissão de cuidador
Câmara aprova proposta que regulamenta produção e comercialização de queijo artesanal
veja +