Reflexões sobre o caso Jonatan Diniz

autor Misto Brasília

Postado em 12/01/2018 07:34:02 - 07:19:00


Brasileiro Jonatan disse que premeditou a prisão e depois criticou a Imprensa/Arquivo Pessoal

Quando você pratica o bem com a verdade, automaticamente você transfere energias positivas

Texto de Renato Candemil

Nos primeiros dias do ano, a mídia nacional passou a divulgar um fato que tratava da prisão de um brasileiro pelo governo venezuelano. As notícias relatavam que Jonatan Diniz (catarinense de Balneário Camboriú) estava na Venezuela a trabalho de uma ONG, alimentando crianças pobres, e que no final de dezembro o governo venezuelano havia efetuado sua prisão, sob o argumento de que ele era membro de uma facção criminosa.

Após a intervenção do governo brasileiro e também da sensibilização de vários grupos de pessoas e organizações nas redes sociais, após dez dias preso, o brasileiro foi solto e expulso do país, retornando para os EUA, local de sua última residência.

Em sua rede social, logo após a soltura, o brasileiro afirmou que fora preso injustamente, que não havia recebido comida por vários dias, que sofrera maus tratos e abusos psicológicos. No outro lado, o governo venezuelano informava que o brasileiro fora preso por ter ligações com organizações criminosas.

Pois bem, agora em novo vídeo o brasileiro confessa que premeditou a sua prisão para simplesmente chamar a atenção da mídia e dos governos. Que tudo não passou de um plano previamente arquitetado para buscar atenção da mídia.

Sem entrar no mérito da questão sobre sua prisão, acredito que o caso merece algumas reflexões, quanto à postura e atitude do brasileiro. A primeira delas é a de que as pessoas que pretendem praticar o bem, devem fazê-lo através da prática da verdade. A mentira enfraquece o ser humano.

Quando você pratica o bem com a verdade, automaticamente você transfere energias positivas para as outras pessoas e para o ambiente. Assim, em cadeia, você vai contagiando tudo e a todos, numa grande corrente de energia. Energia inteiramente positiva.

Devemos entender que para praticar o bem não devemos praticar a mentira. Não fomos criados para viver da mentira e principalmente na mentira. A mentira nos adoece, nos tira as energias, nos enfraquece.

A prática do bem deve estar diretamente associada à prática da verdade, e por consequência essa verdade deve ser plenamente exercida no cumprimento de nossa missão. É com a prática da verdade, que conseguimos exercer o Amor. Reflita.

Pense nisso e viva feliz em 2018! (Renato Candemil é advogado e autor do livro "Uma Jornada em Busca da Verdade Espiritual") 


"O senhor não tem vergonha na cara", dispara brasileiro para Gilmar Mendes
Conheça o apartamento do bispo Edir Macedo que custou uma fortuna
veja +
Propostas que legalizam jogos de azar andam rápido no Congresso
Publicada lei que pretende diminuir os altos índices de mortes no trânsito
Proposta para criar delegacias para idosos está na Câmara
veja +