Eleições vão mudar o cenário na América Latina

autor Misto Brasília

Postado em 02/01/2018 17:46:14 - 17:30:00


Eleições presidenciais estão previstas no Brasil e em outros países latinos/Arquivo

Texto sugere que haverá novas forças políticas emergem, mas uma figura estabelecida ganha

O Brasil vencerá a Copa do Mundo na Rússia. A previsão está no rodapé é de um extenso artigo do site Post-Western World, de responsabilidade do professor Oliver Della Costa Stuenkel, da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e membro Instituto de Política Pública Global (GPPi), em Berlim. Neste trabalho, Suenkel sugere dez previsões para o mundo para este ano que começa agora. A previsão da Copa foi uma brincadeira em meio a crises anunciadas e previstas.

Para a América Latina, o site publicou que a maratona eleitoral mudará o cenário político regional, mas a maioria das corridas presidenciais serão conquistadas por políticos estabelecidos.

Uma mistura de baixos preços das commodities (tradicionalmente levando a um baixo crescimento, baixas classificações de aprovação do titular e baixa tolerância pública com a corrupção) e a menor confiança na classe política e a própria democracia provavelmente fará o próximo ciclo eleitoral na América Latina. 

O Brasil, a Colômbia, a Costa Rica, o Paraguai, o México e a Venezuela terão as eleições presidenciais em 2018. Embora a mudança não seja “uma coisa ruim” por si só - de fato, as elites políticas necessitam de um ar fresco - ainda existem muitos motivos para se preocupar sobre o amplo descontentamento com a política em geral poderia facilitar o surgimento de pessoas emergentes populistas. 

Na colômbia, muitos temem um populista que ocupe a Casa de Nariño no ano que vem - o que poderia ser resultado de um segundo turno entre o esquerdista Gustavo Petro e um partidário de direita do ex-presidente Álvaro Uribe. No entanto, os resultados podem ser um pouco semelhantes aos do Chile: novas forças políticas emergem, mas uma figura estabelecida ganha. 

No Paraguai, no México e no Brasil, a mudança ocorrerá principalmente na legislatura, enquanto os políticos tradicionais se apegam ao executivo. No Paraguai, o Mario Abdo do Partido Colorado provavelmente vencerá. No México, o Meade do PRI receberá o melhor emprego, batendo Andrés Manuel López Obrador. 

O Brasil verá uma repetição do segundo turno de Lula vs. Alckmin de 2006, embora desta vez o candidato de centro-direita (que o grupo Eurasia descreveu como Hillary Clinton do Brasil) prevalecerá. Os resultados podem ser um pouco semelhantes aos do Chile: novas forças políticas emergem, mas uma figura estabelecida ganha.


Medo da falta de combustível provoca corrida aos postos de gasolina
Deputado grava mensagem para caminhoneiros de cueca
veja +
Barroso explica obrigação dos partidos em reservar 30% do fundo eleitoral para candidatas
Vacinação contra a aftosa continua no Distrito Federal até o final do mês
Para Temer, Meirelles é o melhor candidato à Presidência
veja +