É preciso pensar o meio-ambiente por inteiro

autor Adalberto Melo

Postado em 06/06/2016 17:18:02 - 17:16:00


Banco de parque/Adalberto Melo

Somente uma visão holística e uma ação integrada pode salvar o planeta

Há muito que a visão integral da vida foi percebida como melhor caminho para a busca, em especial, da solução de problemas complexos. Apesar de  parecer óbvio que todos as áreas do conhecimento, todos os aspectos do viver interrelacionam-se, ainda temos dificuldades em conciliar teoria e prática nesta direção.

Seja na análise da estrutura celular ou na comunicação neural, e ainda nas imbricações fisio-pisíquicas, é fundente que não há como pensar a vida fora da interdependência e interconexão que nos constituem.  

Só para ficar em um exemplo simples observemos o avanço da medicina integrativa, orientada para um sentido mais amplo de cura, que visa tratar a pessoa em seu todo. Essa modalidade bastante difundida e de eficácia comprovada cientificamente tem sua base no entendimento de que corpo, mente e espírito formam um todo indivisível. Defende também um relacionamento diferenciado entre médico e paciente que passam a ser parceiros no processo de cura. 

No campo da administração e do empreendedorismo, entre outras áreas do conhecimento, a visão multidisciplinar fez sucumbir às idéias departamentalizadas que acabaram por influenciar de forma decisiva a construção de currículos escolares que não atenderam, em todos os níveis educacionais as demandas de uma sociedade que exige visões compartilhadas, multi e intradisciplinares, permitindo ampliar a visão sobre os processos de toda ordem. Ainda bem que isto também está mudando. 

Sendo assim, impossível é imaginar que a sustentabilidade possa ser pensada desconectada dos demais campos de nossa vida. Todos as iniciativas que se pretendam perenes e duradoras tem sua base em um pensamento sistêmico e integrado.  

Logo, é dessa fonte holística que precisamos nos abastecer todos os dias. Cidadãos, empreendedores, entidades governamentais e não governamentais,  públicas e privadas. Todos passageiros deste mesmo barco comum que é o nosso planeta. 

Dentro do processo temos que conviver com algumas incoerências e contradições, como na conferência Rio +20 em que o mundo debatia ações mais sustentáveis e na praça  de alimentação eram servidas em pratos de plástico nada biodegradáveis refeições com preços nada sustentáveis. Isso sem falar do patrocínio e apoio de empresas que não possuem uma prática comprometida com causas ambientais mais nobres. 

Também não se deve perder de vista o aprendizado das comunidades tradicionais que há milênios percebem nossas riquezas naturais como verdadeiros tesouros a serem preservados e agem de forma coerente na contramão das políticas desenvolvimentistas pensadas dentro de gabinetes e que atropelam o modo de vida e os saberes destes que resistem pagando até o preço da própria vida pela defesa da Terra. 

O esforço deve ser concentrado, em especial,  nas novas gerações. Quando conclui uma pós-graduação sobre o assunto, foi em um produto midiático voltado para adolescentes que focamos nossas energias, exatamente porque esse público é mais aberto para valores transformadores e fundentes. A infância também é campo fértil para novos valores, visto que ainda não adquiriram  tantos vícios. Belas lições podem ser compartilhadas com a preocupação “freiriana” de que “fora da boniteza e da alegria” nada se ensina, nada se aprende. 

Claro que antes de cada ação é importante avançarmos no conceito, na visão que a antecede, porque como bem disse outro educador extraordinário,  Rubem Alves:  “quem não planta jardim por dentro não planta jardins por fora e nem passeia por eles”. 

Estamos longe do ideal simples de compartilhar, de forma equilibrada, aquilo que nos é dado gratuitamente.

Avançamos na defesa de nossa morada, ainda que longe da velocidade que gostaríamos. Estou convicto - ainda bem que não sou apenas eu -, que somente pensando e agindo no ambiente por inteiro vamos conseguir algum resultado.

É semeando conceitos de harmonia e equilíbrio em tudo que vamos colher uma vida presente e futura melhor.


"O senhor não tem vergonha na cara", dispara brasileiro para Gilmar Mendes
Conheça o apartamento do bispo Edir Macedo que custou uma fortuna
veja +
Propostas que legalizam jogos de azar andam rápido no Congresso
Publicada lei que pretende diminuir os altos índices de mortes no trânsito
Proposta para criar delegacias para idosos está na Câmara
veja +